Justiça no futebol, interrogação

Os “maiores especialistas” em futebol defendem incondicionalmente o campeonato por pontos corridos. O principal argumento é que essa fórmula é a mais justa. Também alegam que o campeonato fica emocionante na reta final. Porém, com todo respeito eu não concordo com esses bestiais comentaristas (aliás, os mesmos que escolhem Celso Roth como um dos melhores técnicos do campeonato), e já adianto para os mais exaltados que também não estou pedindo para ninguém concordar comigo.

Reparem. Em toda reta final de campeonato por pontos corridos é a mesma coisa: acusações a respeito do oferecimento de incentivos financeiros para times que não tem mais compromisso no campeonato, clubes dando férias ou dispensando jogadores antes do final da competição, decisões contra equipes já rebaixadas e sem motivação para disputar as últimas partidas etc. Enfim, desde que o sistema foi implantado no Brasil  ocorrem problemas como estes e neste ano não vai ser diferente.

O São Paulo enfrenta na última rodada o Sport Recife, equipe já rebaixada. O Internacional, da mesma forma, enfrenta nas duas últimas rodadas o Sport, como dito já rebaixado, e o Santo André, equipe que também já estará garantida na 2ª divisão até lá. O Flamengo, por sua vez, pega o Corinthians e o Grêmio. No primeiro jogo ele enfrenta um time que entra em campo sob a desconfiança de que entregará tudo para prejudicar seus rivais (São Paulo e Palmeiras), e no segundo ele vai enfrentar um time que já anunciou que jogará com os reservas (isso ainda vai dar pano para manga; podem esperar).

Ou seja, a tragédia está anunciada: se na última rodada algum clube que estiver disputando o título depender do resultado negativo de outro pode esquecer. Nem a famosa mala branca são-paulina ajudará. Não consultei Robério de Ogum mas posso afirmar: o São Paulo ganha do Sport, o Internacional ganha do Santo André, e o Flamengo ganha dos reservas do Grêmio. A decisão mesmo ficará para o próximo domingo.

Afinal, o que há de justo e emocionante nisso? É justo ou emocionante que o campeonato seja decidido num jogo entre o provável campeão e um time rebaixado ou reserva, interrogação. É justo depender de um arqui-rival para ser campeão, interrogação. Qual a emoção que um amante do futebol vai ter ao assistir os jogos da última rodada, interrogação. Perguntem para os bestiais especialistas de futebol.

A meu ver o campeonato deve ser decidido pelas duas melhores equipes, o que só acontece se houver uma final. Copa do Mundo, Libertadores, Mundial Interclubes, Copa dos Campeões da Europa, NBA, NFL, Olimpíadas etc. Todos os mais importantes torneios esportivos são decididos numa final. Porque será? Será que está tudo errado? Ora, evidentemente que não, exclamação.

A verdade é que o Brasil regrediu ao implantar o sistema de pontos corridos, ainda mais para um povo tão acostumado a finais. E não me venha argumentar que na Europa funciona assim. São situações absolutamente diferentes. Lá os torcedores já estão acostumados com a fórmula. É uma questão de tradição. E se for para copiar, o melhor é olhar para os americanos. Se tem algo que eles entendem é de esporte (e de gerar dinheiro com esporte). Vejam se lá há alguma competição disputada no sistema de pontos corridos. Nenhuma. O que gera mais dinheiro são as finais, tanto que a Rede Globo está louca para mudar a fórmula.

Outro fator a ser avaliado é a média de torcedores que frequenta os estádios durante o campeonato. Dos 20 maiores públicos de toda a história do campeonato brasileiro, 19 ocorreram nos anos 70 e 80, no sistema mata-mata. Será coincidência, interrogação.

Por outro lado, quem disse que futebol tem que ser decidido por justiça? Se fosse assim os jogos que tivessem o resultado definido por erros de arbitragem deveriam ser anulados, pois se existe algo que é injusto é uma equipe perder pontos por conta de absurdos cometidos por árbitros como Carlos Eugênio Simon. Então não me venha falar de justiça. Futebol deve ser decidido por vários fatores, dentre eles a sorte, típica de um jogo.

Por fim, vale fazer uma comparação sobre o que cada sistema de disputa proporcionou nas suas últimas edições. O último mata-mata apresentou ao futebol brasileiro uma geração de jogadores que, bem ou mal, fazem sucesso no exterior (Robinho, Diego, Elano, Alex, Renatinho e outros), o que não aconteceria se naquele ano o campeonato fosse disputado por pontos corridos, pois nesse caso o Santos amargaria apenas o 8º lugar e todos esses jogadores seriam esquecidos (é verdade que alguns deles não fariam falta).  Já as últimas 3 disputas por pontos corridos conseguiram no máximo exaltar um técnico limitado.

Anúncios

15 Comentários

Arquivado em Brasileirão

15 Respostas para “Justiça no futebol, interrogação

  1. RedBlack

    O Simon estava certíssimo! O Obina fez falta no jogador do Fluminense. E o jogo foi Fluminense 1 x 0 Palmeiras, lembra-se?

  2. zeca

    Oh..RedBlak, a matéria descreve sobre fórmula do campeonato brasileiro e vc. vem falar que “o Simon estava certíssimo…..” ora, vc. está pior que a Mãe do Sarampo, acorda meu.
    No mais a matéria merece reflexão, eu particularmente sou favorável ao mata-mata, com uma grande final.Com a palavra os expert no assunto.

  3. luto pelo palmeiras

    o flalido não vai ser campeão não e so ilusão

  4. Vanderson

    Trêss observações: malas branca e preta também rolavam na era dos “mata-matas” (na verdade, era dos sistemas canhestros híbridos pontos corridos na fase incial + ‘play-offs’ na fase derradeira, que é o que alguns querem.). Menos do que hoje, possivelmente. Mas sempre houve. Sobre as médias de públicos maiores, é bom não esquecer que antigamente não havia Estatuto do Torcedor e suas exigências bem mais rigorosas em termos de segurança nos estádios. Bem que o Flamengo e o Corinthians gostariam, mas não há mais como jogar com público acima de 120 mil pessoas. Por fim, não se pode esquecer de que torneio nacional em mata-mata já existe: por que então os defensores desse formato não lutam pela valorização da Copa do Brasil?!

    Vanderson

    Copa do Brasil é outra coisa. É campeonato de esquema. Serve para agradar federações sem expressão e angariar votos para as eleições da CBF.

  5. Douglas

    defendo os pontos corridos… mas gostei dos seus argumentos

    Douglas

    Obrigado. E esqueça os pontos corridos.

  6. RedBlack

    Tem time que morre de medo de mata-mata, que é quando os bons aparecem e se mostram. Os times medianos regulares preferem ficar naquela marcha-lenta durante todo o campeonato e ver se no fim conseguem alguma coisa. Time grande gosta de mata-mata. Time pequeno só tem chance sem mata-mata.

  7. RedBlack

    Alô Zeca, você não leu a matéria!
    Lá esta escrito ” pois se existe algo que é injusto é uma equipe perder pontos por conta de absurdos cometidos por árbitros como Carlos Eugênio Simon.” .

    RedBlack

    Falando assim parece que o Simon só cometeu aquele erro em toda a sua carreira. Muda o disco.

  8. Zhu Sha Zang

    É copiamos a fórmula européia de pontos corridos e provavelmente, também, os mais de 200 jogos sobre investigação por lá.

    LAMENTÁVEL.

  9. leovalete

    caro avallone exclamaçao

    visito o seu blog a um bom tempo
    e observo bastante a sua postura bairrista
    mas…
    é a primeira vez q vejo vc postanto algo sensato
    parabens!!!!!!!!

    Leovalete

    Obrigado pelo elogio. Quanto ao bairrismo, aqui não existe isso. Aqui é Jornalismo Futebol Clube.

  10. alexandre

    Acho que um campeonato com 16 times com jogos de ida e volta e no final os 8 melhores disputariam o titulo.Muita gente fala que sente falta do “gol de campeonato”. O futebol nesse sistema é muito mais emocionante…. Nesta toada logo logo será probido torcer em pé ou pular nas bancadas até qualquer gesto de alegria, tudo isso em nome da modernidade europeia…..aff.

    Alexandre

    Para mim classificar 8 de 16 seria muito, ainda mais com jogos de ida e volta. 4 seria o ideal.

  11. ALCIBIADES ALBANO PEREIRA

    Comentário perfeito. Concordo em gênero, número e grau. Campeonato de pontos corridos num país que se vende a mãe e ainda manda entregar via Sedex é a utopia da justiça. Parabéns Avallone. Parte da imprensa politicamente correta que defende esta fórmula torce para times que quase todo ano vencem campeonato com apito amigo ou mala branca.

  12. Olha, parabens pelo texto, realmente vale a reflexão…

    Cláudia

    Obrigado.

  13. Sandro

    Não vai ter Post sobre os absurdos mais uma vez cometidos pelo queridinho da imprensa em quadra de torcida organizada?

    Engraçado como as coisas são, se fosse o Andrez as pessoas estariam chamando ele de bandido, de torcedor organizado, etc. Agora como é o paladino da moralidade, o exemplo, o queridinho da imprensa, as pessoas aliviam.
    Isso é um absurdo, o cara é Presidente de Clube, não torcedor organizado, e porta-se como tal.
    Profundamente lamentável.

    Sandro

    Calma. Já está lá.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s